#Aleatoriedades: minha montanha-russa emocional

Sua voz continua martelando em minha cabeça de novo, juntamente com aquele cheiro de cigarro vagabundo que você costumava fumar.
Algo me dizia que não ia durar ou você iria embora, ou eu sairia sem me despedir.
E quando você pensa que passou anos e mais milhares de anos, só se passaram duas horas e você se vê ali em uma estrada, Harley empoeirada e as mesmas lagrimas de milhares de anos atrás.

E você adorava quando ela dormia com os pés entrelaçados nos seus, mais detestava seu perfume doce. Você amava o jeito que ela se maquiava em frente ao espelho daquele motel de beira de estrada, mas detestava seu jeito de gritar quando ficava nervosa. Você amava o jeito que ela olhava em seu olhos, com todo aquele batom vermelho e os seus pequenos olhos verdes, e detestava quando esses mesmos olhos verdes choravam à toa.

Ele adorava o jeito que eu me vestia para sair a noite e como o céu brilhava em cima de nós dois enquanto nos beijávamos como se fosse a primeira vez, mas ele também detestava quando eu ia embora, como sempre, debaixo de qualquer tempestade forte que caia lá fora.

Me desculpe querido, mas eu não sou tão frágil. É como se eu saísse, e voltasse para você do mesmo jeito que sempre acontece. E se fosse em outra vida, outro mundo, outro lugar, nos encontraríamos, eu te abandonaria mais uma vez enquanto você  fuma o mesmo cigarro vagabundo. É como se fosse tudo escrito, tudo criado para você de novo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s