#AlôMarciano: Pousando no Brasil

Já no Brasil, centenas de casos foram investigados durante os anos. Luzes vistas alcançando velocidades inimagináveis eram cada vez mais frequentes e tudo começou pouco depois dos acontecimentos do caso Roswell, nos Estados Unidos.
Os casos mais famosos são: Operação Prato, que ocorreu em 1977 no Pará; Noite oficial dos OVNIS (1986) e Caso Varginha (1996). Três casos que ainda desperta a curiosidade dos brasileiros, principalmente para aqueles que gostam do assunto e se interessam pela ufologia.

Dezenove anos antes do caso de Varginha, no litoral e interior do Pará e Maranhão ocorreram fatos bem estranhos. Fenômenos luminosos foram vistos na Ilha de Colares, local onde se documentou mais manifestações ufológicas, moradores contam que feixes de luz vindos de um objeto voador tocavam suas peles, queimando e retirando sangue das pessoas. O nome dado a esse fenômeno foi “Chupa-Chupa”.
A notícia se espalhou e tendo uma ilha inteira com moradores assustados e entrando em pânico, uma das forças táticas mais potentes do Brasil entrou em jogo. A Força Aérea Brasileira acompanhou o caso de perto tendo o capitão Uyrangê Hollanda como responsável, a equipe documentou várias experiências no município e isso resultou na “Operação Prato”, com mais de 500 páginas incluindo fotos, vídeos, documentos, entre outras evidências do caso.
Como de praxe, a mídia impressa noticiou casos muito antes do fenômeno ufológico “Chupa-Chupa”. Jornais como O Liberal, Estado do Pará e A Província do Pará detalharam nem suas reportagens os fatos de forma abundante, tendo no conteúdo várias fotos para ilustrar o local onde tudo aconteceu, e entrevistas com testemunhas.
Podemos ler na edição de 16 de julho de 1977 do jornal O Liberal os seguintes dizeres:

“Um UFO foi fotografado em Montevidéu, de formato esférico, confere com os estranhos objetos vistos em diversos pontos do território paraense, bem como do lado maranhense do Rio Gurupi e ao longe de toda região fronteiriça entre os estados. Ainda ontem, tais objetos foram observados em diversas localidades do interior maranhense, causando
espanto às populações, à semelhança do que ocorre na área Vizeu, no Pará.” .(GIESE, UFO Especial, edição 71, 2013).

“A Noite Oficial dos OVNIS” nome dado a um dos casos mais conhecido pelos comandantes da Aeronáutica brasileira. Em 19 de maio de 1986, os radares da Defesa Aérea e Trafego Aéreo de Brasília captaram durante três horas, vinte objetos voadores não identificados nas cidades de Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, o que chamou a atenção do Alto Comando da Força Aérea do Brasil.
Caças foram enviados para a interceptação e perseguição dos objetos voadores, a segurança aérea brasileira já não estava segura, principalmente em São Paulo, onde o trafego aéreo é intenso. Os comandantes, em uma coletiva de imprensa, confirmaram todos os acontecimentos da noite em que OVNIS foram perseguidos pelos céus brasileiros.

No dia 20 de janeiro de 1996 o Brasil parou para assistir e ler todas as informações sobre a aparição de um ser com características desconhecidas, na cidade de Varginha em Minas Gerais.
Um objeto cinza com formato de um submarino também foi avistado por um casal de fazendeiros, sobrevoando o pasto e soltando uma fumaça branca. Não somente um ser foi visto, mas pessoas afirmam terem visto mais 4 criaturas desconhecidas. Bombeiros foram acionados para capturar o primeiro “animal”, colocam-no em uma caixa dentro de um caminhão e retornam ao quartel da cidade. Já o segundo ser foi avistado por três garotas, que ficam apavoradas e correm para suas casas. Logo em seguida, outro ser foi encontrado e resgatado pela Polícia Militar, levando-o para pronto socorros e hospitais, onde ninguém queria atendê-lo.

O “Caso de Varginha”, como foi intitulado, causou curiosidade e até mesmo medo nos moradores da cidade. A mídia de massa, televisiva e impressa, foi de grande importância para o caso pois levou até o público informações, pressionou militares para obter respostas e lutou junto aos ufólogos para descobrir a verdade. Mais que isso, a mídia ajudou na movimentação e esclarecimento dos fatos por parte de entidades que participaram do caso. Por outro lado, aumentaram as piadas por parte de programas humorísticos da época, casos falsos e diante disso, as pesquisas foram prejudicadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s