#AlôMarciano: Contatos imediatos

Olá pessoas,
trago hoje mais um relato sobre ufologia. Hoje é o depoimento da Carla Reis.
Acompanhem!!

“Eu era céptica até ter uma experiência. Eu acredito nos Greys, que são seres bons. Aliás tive dois contatos, que depois de 24h da ocorrência, meu corpo doeu todo. Aconteceu das duas vezes. Da primeira vez tiraram liquido da minha medula espinhal e por 3 dias minha coluna doeu. Na hora que fizeram me senti muito bem. Os seres disseram que queriam as enzimas do cérebro, dopamina e seratonina. O mais engraçado é que sempre fui ARH+. Tive um acidente e precisei de transfusão de sangue. Meu corpo recusou sangue A+. Só sobrevivi quando deram sangue negativo.

O segundo contato, os seres disseram algo sobre amígdalas cerebral e óvulos. Eu morava no campo, estava conversando na rua com vizinhos e uma luz forte bateu em nós. Pensamos que fosse um helicóptero, então corremos para dentro de casa. Eu fiquei sem me mexer, a luz enviou fleshes e foi embora. Meus vizinhos então voltaram e disseram que foi um OVNI. Fiquei bem, porém no dia seguinte os meus rins doiam, tive mal estar e não conseguia fazer xixi. Algo estranho. Os Greys são parecidos conosco, mas baixinhos, cm 1,80 no máximo. Eu tinha pavor deles, comprei até uma organita pois disseram que eles não entravam em contato mais. Te seguem por toda sua vida, e sua família também. O toque da pele deles é igual a nossa, as mãos também, sem o último dedo.

Eles falaram que estão recolhendo sementes do universo, pois os planetas têm a existência finita, e que podem dar vida a um planeta inabitável mas leva em torno de 10 anos para que se desenvolva um planeta habitável, e depois mais um tempo para estruturar, criar condições de vida. Primeiro precisam esterilizar o planeta para que não haja mutação genética ou ver se há seres compatíveis para que não morram no processo e sejam adaptáveis.

Aprendi com eles a não ser preconceituosa. Somos todos a mesma semente do universo. Eles deram o exemplo dos passarinhos que são todos parecidos e com cantos diferentes, cores diferentes. E o que nós chamamos de mutações não se chama assim, é apenas denominado como estado evolutivo e o próprio universo faz isso. De tempos em tempos a chamada renovação de espécie. Tudo o que é finito tem o seu ciclo de existência. Eu era muito impulsiva e depois comecei a observar mais, tentar entender as coisas e pessoas. Acho que tive uma mudança comportamental depois de tudo isso.” 

#AlôMarciano: As famosas investigações de campo

Não existe um procedimento padrão para uma investigação de casos ufológicos, cada caso exige um modo diferente de operação e consequentemente, investigação. O ufólogo especialista em contatos diretos com entidades extraterrestres Dr. Waiter Karl Buhler criou um roteiro que foi publicado no boletim da Sociedade Brasileira de Estudos sobre Discos Voadores (número 62/65) e citado em um artigo da Revista UFO (EQUIPE UFO, 1988, edição 4).
De acordo com o artigo da Revista UFO citada cima, a ufologia não é considerada uma área que pode ser comprovada por meio de um método praticável regular. Mas, o roteiro ajuda pesquisadores a dar os primeiros passos em relação a uma investigação.
A pesquisa é constituída de alguns passos, como ter uma base de conhecimento para conversar com uma testemunha sem existência de preconceito; ouvir o primeiro relato da vítima anotando informações ou de preferência gravar o relato, para ter também uma noção de suas emoções; o segundo relato será para esclarecer pontos que não foram compreendidos por parte do investigador e montar uma ordem cronológica dos fatos.
Em seguida os croquis são feitos, desenhos como “retrato falado” para que o investigador possa ter melhores explicações sobre o ocorrido; investigar o ambiente que a testemunha vive também é um dos processos muito importantes para o caso, como a parte familiar, grau de educação, ambiente da casa etc. A reconstituição do caso deve ser feita o mais rápido possível, pois podem haver novos indícios e detalhes de acordo com o apontamento do investigador. Por fim são feitos testes psicológicos, como, por exemplo, observar o comportamento da vítima. (BUHLER, 1968, página 46).
Lembrando que o número de pessoas que contam suas experiências é baixíssimo, como o ufólogo e administrador de empresas Thiago Ticchetti escreveu em seu livro “Guia da tipologia dos UFOS” (2017, página 19) “Entretanto, o que mais desencoraja as pessoas a virem a público relatar seus avistamentos é o medo de serem ridicularizadas pelos amigos, vizinhos, família ou sociedade.

#TCC: Socorro!

Pode pular a parte do TCC? Por favorzinho, nunca te pedi nada…

Bom, lá fui eu tentar mudar meu tema, já que pensei que sobre ufologia seria um pouco complicado. Pensei em fazer algo voltado para o mundo geek, focar principalmente nos eventos que estão vindo para o Brasil e no mercado. Adivinha: VETADO! hahahaha

Resultado de imagem para help

 

Voltei para a ideia inicial sobre a atuação da mídia nos casos de ufologia, e descobri que posso focar nos profissionais jornalistas que investigam os casos ufos e todo esse universo. Como escrever uma matéria sobre o assunto com principalmente credibilidade, o que hoje em dia é tão instável; onde investigar, como entrevistar as pessoas que avistaram algum objeto voador não identificado, distinguir fotos falsas de verdadeiras. Tem vários assuntos incrivelmente interessantes que eu posso explorar!

Resultado de imagem para idea

 

Por mais que eu ame documentários e é o que eu mais sei lidar, o meu produto escolhido será um livro reportagem, onde mais pra frente vou contar aqui como vou dividi-lo, quais assuntos eu vou abordar. Claro que nada me impede de gravar tudo e fazer um documentário pra colocar no Portal A Toca, aqui e na rede. Afinal, nada é demais quando se há conhecimento em jogo.

Já estou com vários contatos engatilhados e estou mega empolgada para conhecê-los pessoalmente, pois são profissionais competentíssimos e que eu sempre admirei.

Então, até a próxima pessoal!
beijos ❤

 

Resultado de imagem para ufo