#AlôMarciano: Como tudo começou

Olá pessoal,
voltei com os vídeos no canal e hoje eu contei um pouquinho como foram minhas primeiras experiências com a Ufologia, como eu comecei a gostar do assunto e como terminei levando esse tema para a faculdade. Espero que gostem 😉

#AlôMarciano: Infográfico sobre Contatos Imediatos

Nas minhas pesquisas sobe Ufologia sempre encontrei alguns relatos sobre contatos imediatos com seres me outros planetas. Esse assunto também é retratado, mais para o lado ficcional, no filme “Contatos de 4ºGrau, estrelado pela atriz Milla Jovovich.

Reuni algumas informações em um infográfico bem bacana, para vocês entenderem quais são os níveis desses contatos. 😉

níveis de contatos

#AlôMarciano: Contatos imediatos

Olá pessoas,
trago hoje mais um relato sobre ufologia. Hoje é o depoimento da Carla Reis.
Acompanhem!!

“Eu era céptica até ter uma experiência. Eu acredito nos Greys, que são seres bons. Aliás tive dois contatos, que depois de 24h da ocorrência, meu corpo doeu todo. Aconteceu das duas vezes. Da primeira vez tiraram liquido da minha medula espinhal e por 3 dias minha coluna doeu. Na hora que fizeram me senti muito bem. Os seres disseram que queriam as enzimas do cérebro, dopamina e seratonina. O mais engraçado é que sempre fui ARH+. Tive um acidente e precisei de transfusão de sangue. Meu corpo recusou sangue A+. Só sobrevivi quando deram sangue negativo.

O segundo contato, os seres disseram algo sobre amígdalas cerebral e óvulos. Eu morava no campo, estava conversando na rua com vizinhos e uma luz forte bateu em nós. Pensamos que fosse um helicóptero, então corremos para dentro de casa. Eu fiquei sem me mexer, a luz enviou fleshes e foi embora. Meus vizinhos então voltaram e disseram que foi um OVNI. Fiquei bem, porém no dia seguinte os meus rins doiam, tive mal estar e não conseguia fazer xixi. Algo estranho. Os Greys são parecidos conosco, mas baixinhos, cm 1,80 no máximo. Eu tinha pavor deles, comprei até uma organita pois disseram que eles não entravam em contato mais. Te seguem por toda sua vida, e sua família também. O toque da pele deles é igual a nossa, as mãos também, sem o último dedo.

Eles falaram que estão recolhendo sementes do universo, pois os planetas têm a existência finita, e que podem dar vida a um planeta inabitável mas leva em torno de 10 anos para que se desenvolva um planeta habitável, e depois mais um tempo para estruturar, criar condições de vida. Primeiro precisam esterilizar o planeta para que não haja mutação genética ou ver se há seres compatíveis para que não morram no processo e sejam adaptáveis.

Aprendi com eles a não ser preconceituosa. Somos todos a mesma semente do universo. Eles deram o exemplo dos passarinhos que são todos parecidos e com cantos diferentes, cores diferentes. E o que nós chamamos de mutações não se chama assim, é apenas denominado como estado evolutivo e o próprio universo faz isso. De tempos em tempos a chamada renovação de espécie. Tudo o que é finito tem o seu ciclo de existência. Eu era muito impulsiva e depois comecei a observar mais, tentar entender as coisas e pessoas. Acho que tive uma mudança comportamental depois de tudo isso.” 

#ArquivoUFO: Um Universo inteiro aos seus pés

Pessoas lindas, abri espaço no meu blog para que pessoas descrevam seus casos ufológicos, encontros, avistamentos. Sem julgamentos, um espaço para que possam dizer se já tiveram alguma experiência ufológica. Simplesmente isso. Toda semana trarei algo diferente e inusitado, algo que pode mexer com alguns, fazer outros acreditarem ou só lerem a cunho de curiosidade. Sintam-se a vontade!

Hoje trago, na íntegra, a experiência da Aline, 28 anos, moradora de Curitiba.

“Sempre fui muito curiosa sobre o tema ufologia. Este ano me aprofundei mais sobre o assunto até que uma noite eu tive um sonho incrível que pareceu ser real. 
No sonho, um ser se aproxima de mim em meu quarto, não consegui ver exatamente como era o ser, mas era parecido como humano e ele apontava muito para debaixo da minha cama. Quando eu fui ver, o espaço inteiro estava ali , debaixo da minha cama! Estrelas, planetas, uma imensidão linda e brilhante. Achei aquilo muito incrível e tive a sensação de não estar no meu quarto e sim no universo! Essa foi minha experiência.”

Se você também tiver um relato, envie para o e-mail: kamy.morais@gmail.com!

#AlôMarciano: Questões de credibilidade

Desde 2008 os ufólogos vêm encontrando sinais de vida alienígena com maior frequência em solo brasileiro, literalmente. Os Agroglifos, nome dado aos conhecidos círculos em plantações, ocorreu pela primeira vez em novembro de 2008 em Ipuaçu, Santa Catarina, e não parou mais.
Em 2015 houve dois registros de agroglifos. Em Prudentópolis, no Paraná, e também na cidade de Ipuaçu. O último, reportado pelo ufólogo Ademar Gevaerd em todas as suas redes sociais e atualizando o público sobre informações, aconteceu novamente na cidade de Ipuaçu, em 27 de novembro de 2016. A figura possuía dois círculos, com um tipo de desenho de pétalas de flor.
Gevaerd diz em sua palestra no VII Fórum Mundial de Ufologia, em 2016, que não confirma um agroglifo como legítimo só porque não houve motivação ou um indivíduo que o fez. Em 2013, quando os sinais continuaram a aparecer, a pesquisa feita por ele teve a participação de um perito criminal especialista em reconstituição de cenários de crime, Toni Inajar Kurowski, com 30 anos de experiência.

A equipe aumentou. Mais três profissionais analisaram os círculos; um especialista em eletrônica e comunicação digital, que analisou a radioatividade do local; um engenheiro agrônomo para pesquisar o solo e a plantação de trigo e por fim, um físico, que colheu e analisou amostras de solo.
A credibilidade dos fatos afirma-se com a presença e pesquisa de especialista em cada área na qual o caso se encontra. Os processos de investigação se tornam mais completos, assim como laudos técnicos e que comprovam a veracidade das informações.

Além disso, a ufologia, como qualquer outro campo da ciência, possui um código de ética. Criada em outubro de 1994, em São Paulo, pelo pioneiro da ufologia brasileira Arismaris Baraldi Dias, o documento “Código de ética dos ufólogos” possui vários artigos e sessões onde são impostas aos profissionais condutas a seguir, de forma que preserve a autenticidade de pesquisas e transparência da profissão, e está disponível para consulta no site da Revista UFO. No Capítulo III, que diz respeito as proibições, o artigo 6 faz menção a um tópico importante, é proibido “Deturpar, intencionalmente, a interpretação do conteúdo explícito ou implícito em documentos, obras de cunho ufológico e outros, com o intuito de iludir a boa fé de outrem;” (DIAS, Arquivo UFO, 2009).
Em seu livro Arquivo UFO – Alerta Brasil, o ufólogo e professor do curso de Comunicação Social da Universidade Paulista UNIP Omar Bueno, retrata vários casos de aparições de OVNIs de 1954 à 1979 em várias cidades do Brasil. A maioria dos casos possui análises e pesquisas para testar a veracidade da situação, como exames de laboratórios e profissionais especialistas. Ele diz que “Investigações registraram mais de cem aparições de ocupantes de OVNIs apenas no ano de 1954 e de lá para cá, as narrativas fora se tornando cada vez mais frequentes. ” (BUENO, 1980, página 7).

#AlôMarciano: As famosas investigações de campo

Não existe um procedimento padrão para uma investigação de casos ufológicos, cada caso exige um modo diferente de operação e consequentemente, investigação. O ufólogo especialista em contatos diretos com entidades extraterrestres Dr. Waiter Karl Buhler criou um roteiro que foi publicado no boletim da Sociedade Brasileira de Estudos sobre Discos Voadores (número 62/65) e citado em um artigo da Revista UFO (EQUIPE UFO, 1988, edição 4).
De acordo com o artigo da Revista UFO citada cima, a ufologia não é considerada uma área que pode ser comprovada por meio de um método praticável regular. Mas, o roteiro ajuda pesquisadores a dar os primeiros passos em relação a uma investigação.
A pesquisa é constituída de alguns passos, como ter uma base de conhecimento para conversar com uma testemunha sem existência de preconceito; ouvir o primeiro relato da vítima anotando informações ou de preferência gravar o relato, para ter também uma noção de suas emoções; o segundo relato será para esclarecer pontos que não foram compreendidos por parte do investigador e montar uma ordem cronológica dos fatos.
Em seguida os croquis são feitos, desenhos como “retrato falado” para que o investigador possa ter melhores explicações sobre o ocorrido; investigar o ambiente que a testemunha vive também é um dos processos muito importantes para o caso, como a parte familiar, grau de educação, ambiente da casa etc. A reconstituição do caso deve ser feita o mais rápido possível, pois podem haver novos indícios e detalhes de acordo com o apontamento do investigador. Por fim são feitos testes psicológicos, como, por exemplo, observar o comportamento da vítima. (BUHLER, 1968, página 46).
Lembrando que o número de pessoas que contam suas experiências é baixíssimo, como o ufólogo e administrador de empresas Thiago Ticchetti escreveu em seu livro “Guia da tipologia dos UFOS” (2017, página 19) “Entretanto, o que mais desencoraja as pessoas a virem a público relatar seus avistamentos é o medo de serem ridicularizadas pelos amigos, vizinhos, família ou sociedade.